quinta-feira, 26 de março de 2020

Necessidade de novos formatos online para os negócios em tempos de pandemia mundial. O impacto nos sites de serviços.

À medida que o mundo une forças para combater o atual desafio humanitário, conhecido como COVID-19, a redução abrupta da atividade económica ou o encerramento total da mesma refletem diversos desafios na gestão dos recursos.
Surge assim um desafio futuro para o mundo empresarial, novas formas de estarem presentes, de continuarem as suas atividades e gerarem receitas. A prioridade passa pelos recursos, por se reinventarem.
Com a consciência de que os consumidores, continuarão presentes, mas num novo formato, o digital. É neste momento que todas as empresas e negócios deverão reforçar a sua presença digital.

Surge cada vez mais a necessidade de criar notoriedade da sua marca, reputação e criar visibilidade para os produtos ou serviços.
Através do site que até podemos chamar de porta de entrada online do seu negócio, onde os clientes podem avaliar a empresa, comprar, reclamar, pedir apoio e até avaliar a fiabilidade da sua compra. Sem um website para redirecionar as suas vendas, não irá ter sucesso. Primeiras impressões contam, os visitantes do seu website iram ter uma opinião nos primeiros segundos.

Quanto às redes sociais sabemos que já não basta simplesmente estar ativo nas redes sociais, é necessário ter uma estratégia e gestão efetiva das mesmas. As redes sociais permitem a interação entre os negócios, com potenciais e atuais consumidores. Mais do que falar sobre o seu negócio e os produtos e serviços que oferece, participar das redes sociais passa por partilhar conteúdo que seja de interesse do seu cliente, mesmo que isso não tenha relação direta com o que a sua empresa apresenta


É neste momento que todas as empresas e negócios deverão reforçar a sua presença digital. Pois como sabemos existe um aumento exponencial da procura nas lojas e no online, com base em dados da Marktest vemos que os portugueses aumentaram o consumo de Internet em geral, com especial destaque para algumas áreas temáticas.

Além do crescimento vertiginoso da Informação (+78%, ao fim da segunda semana), registam-se também crescimentos relevantes nos sites de serviços (+23%) .
Com as pessoas em casa, as plataformas online e os serviços de delivery naturalmente serão mais solicitados. O recurso por via online tranquiliza grande parte da população que vê nesta uma solução para não ter de sair de casa e assim não correr risco de contágio.

Fontes:
https://rockcontent.com/blog/coronavirus/
https://www.marktest.com/wap/a/n/id~260b.aspx
https://fjc.pt/2020/03/25/aeconomiadovirus/

quarta-feira, 25 de março de 2020

Bolsonaro e seu pronunciamento provoca indignação nas redes sociais.

Nesta terça-feira (25/03),o presidente do Brasil fez um pronunciamento em rede nacional. Bolsonaro criticou o fechamento das escolas e volta a atacar a imprensa por "espalhar o pavor" do novo Coronavírus no país. Menciona em seu discurso que o vírus é apenas uma "gripezinha" e que isolamento social deve ser cancelado.

O presidente avaliou que o coronavírus brevemente irá passar e pregou o fim das restrições impostas pelos estados, mesmo com recomendações contrárias do Ministério da saúde. Jair Bolsonaro menciona: "Nossa vida tem que continuar, os empregos devem ser mantidos, o sustento das famílias deve ser preservado. Devemos sim, voltar a normalidade".

Em editorial, o jornal espanhol "El País" analisa como a América Latina lida com a pandemia e afirma que Bolsonaro "é o pior caso" entre alguns líderes da região que tentam minimizar a situação. Para o diário, o presidente está mais preocupado com a briga política com os governadores de São Paulo e do Rio – estados que concentram 60% dos casos de coronavirus do Brasil – do que com os riscos da pandemia.

Devido a este acontecimento, foram registrados vários "panelaços" em diversas grandes cidades do país, manifestando a indignação dos brasileiros contra o presidente. Além da hashtag "#Fiqueemcasa", o Brasil agora aclama, mais do que nunca, "#ForaBolsonaro". Este tem sido o assunto mais comentado nas redes sociais de todo o país. O poder das redes sociais é incrível!

A falta de empatia do presidente, o desrespeito pelo grupo de risco e famílias que já perderam algum ente querido pelo Coronavírus, são assuntos mais recorrentes e alvos de debate no Twitter, Facebook e Instagram, que divide muitas opiniões! Outro questionamento que as pessoas estão se fazendo, se esse posicionamento seria uma estratégia de marketing, visando estratégias futuras.

Fontes:
https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,apos-pronunciamento-bolsonaro-e-alvo-de-mais-um-panelaco,70003246638
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/03/25/incendiario-inacreditavel-e-contraditorio-imprensa-europeia-analisa-pronunciamento-de-bolsonaro-sobre-coronavirus.ghtml

segunda-feira, 23 de março de 2020

Nada será como era! e o comercio eletrónico?

O impacto económico deste maldito vírus, já se faz sentir em todo o mundo. Todos temos noção que esta pandemia está a restringir a atividade económica mundial! No entanto, é certo também, que em tempos de crise, muitos são os que perdem, muitos os que ganham e outros que se reinventam.

Portugal tem das maiores densidades comerciais por habitante da Europa, e actualmente quase todas as redes de distribuição alimentar mantêm as portas abertas, mas com horários reduzidos e com limitação do numero de clientes nos espaços.

Sendo assim, muitos consumidores preferem fazer as suas compras por Internet. O problema é que as empresas de distribuição não estão a ter capacidade de entregar os produtos em tempo útil, demorando cerca de 3 semanas na entregas dos bens porque a procura, na Internet, explodiu! e o comercio on line não estava preparado para uma procura tão massificada.


Há algumas  empresas, nomeadamente Pingo Doce, Lidl, com a excepção do Continente, estão-se a reorganizar, recrutando mais colaboradores para fazer face a este novo aumento de encomendas!
Será esta estratégia precipitada, ou será uma forma de começar a antever novas  tendências no futuro do comércio eletrónico, onde deixaremos de frequentar os supermercados e tudo será entregue em casa? É um facto que findo esta crise, nada será como era!

domingo, 22 de março de 2020

Solidariedade no Isolamento

Vivemos em tempos de crise, sem qualquer antecedente.
Um tempo de pandemia, onde todos lutam contra um monstro invisível que não tem raça, classe social, sexo nem religião. Um monstro que, apesar de muitos danos, também provocou união entre as pessoas, relembrou a palavra solidariedade e sublinhou a saudade.
Prova disso, é a atitude que algumas das cadeias de restauração mais fortes do Mundo estão a ter nesta época de crise.

O McDonald's apela ao isolamento social através da alteração do seu símbolo, com o slogan "Separados por um momento", enfatizando que só assim (separados) poderemos quebrar a cadeia de transmissão do vírus.



Em relação ao Burguer King, este anunciou que fará entregas sem contacto, de forma a manter trabalhador e clientes em segurança.


Além disso, quer o McDonald´s quer o Burger King, estão neste momento a oferecer comida aos profissionais de saúde, de forma a facilitar o trabalho destes heróis na linha da frente. Parece que os rivais se "uniram" nesta causa, contribuindo para aliviar um pouco o caos.
O Burger King Brasil vai mais longe e não se limita apenas a oferecer refeições, anunciando que destinará parte das suas receitas líquidas para o SUS (Sistema Único de Saúde).

Outro exemplo, é o caso da Uber Eats que, inicialmente tinha removido a taxa de entrega durante o  horário de almoço, no entanto, face à declaração de estado de emergência no país e consequentes limitações na circulação de pessoas, alargou a oferta da taxa de entrega para qualquer altura do dia, em todos os pedidos, até dia 3 de Abril.


Mas serão estas atitudes uma prova de solidariedade? Um sinal de que quando realmente é preciso ainda sabemos pôr o lucro de lado e ajudar o outro? Ou será mais uma forma de Marketing? Uma propaganda à falsa generosidade?

Fontes:
https://ominho.pt/mcdonalds-oferece-refeicoes-aos-profissionais-de-saude/
https://catracalivre.com.br/causando/contra-covid-19-mequi-separa-o-m-e-burger-king-doa-ao-sus/
https://www.techtudo.com.br/noticias/2020/03/uber-eats-remove-taxa-de-entrega-de-restaurantes-pequenos-e-medios.ghtml
https://www.publico.pt/2020/03/16/fugas/noticia/servicos-entrega-comida-casa-uber-eats-remove-taxa-almoco-1907970
https://www.noticiasaominuto.com/lifestyle/1437636/uber-eats-remove-taxa-de-entrega-em-todos-os-pedidos

sábado, 21 de março de 2020

A app do momento: Houseparty


Nesta altura difícil que atravessamos, é fundamental ficar em casa para evitar a propagação da covid-19. No entanto, respeitar a quarentena e manter o distanciamento social não é de todo uma tarefa fácil. Todos sentimos a falta de pormos a conversa em dia com o amigo na esplanada ou então de passarmos a tarde com a família.
Deste modo, muitos procuram o digital para ocupar o tempo e, sem dúvida, que a app Houseparty é a que tem mais dado que falar. Esta app permite fazer uma chamada de vídeo em grupo até oito pessoas e ainda disponibiliza outras opções que tornam a app mais apelativa e inovadora. É possível desafiarmos os nossos amigos para diferentes tipos de jogos, como o "Trivia", que consiste em testes de cultura geral, ou o "Quick Draw".

A aplicação é gratuita e está a ser um sucesso principalmente entre os mais jovens, devido à dinâmica e interação que a aplicação oferece. Sempre que um amigo fica online, recebemos uma notificação a dizer que chegou a "casa" e podemos começar a festa.
Assim, a Houseparty é como uma rede social "cara a cara", que nos ajuda a ocupar o nosso tempo e a ficar mais perto dos nossos amigos, sem termos que sair de casa.
Será que esta aplicação continuará com sucesso no futuro?

Fontes:

quinta-feira, 19 de março de 2020

O que dizem os nossos olhos

O eye tracking ou rastreamento ocular vai, num futuro próximo, permitir que as organizações recolham as respostas íntimas e inconscientes dos clientes a estímulos do mundo real ou criadas por elas próprias, como anúncios, websites, disposição das montras e o produto em si . Estes insights podem ser usados como inputs com grande valor em organizações de marketing, possibilitando a aprendizagem, modelação, previsão e manipulação do nosso comportamento de forma a melhorar a tomada de decisão em atividades relacionadas com o marketing. Ao analisar a fixação do olhar, dilatação da pupila, piscar e uma variedade de outros comportamentos, as organizações podem determinar a eficácia de um determinado meio de comunicação ou produto.


Um exemplo da aplicação desta tecnologia seria a utilização de um aparelho de eye tracking, como uma câmara, num supermercado. A organização grava a forma como os olhos do consumidor se movem pelas prateleiras para determinar como, o quê e quando o cliente repara nos detalhes do produto. Assim, poderia ficar a saber o que cada cliente gosta, o que odeia, ou, simplesmente, o que não lhe chama a atenção. Outra vantagem da aplicação do eye tracking seria provar que um anúncio criou uma impressão no consumidor, algo que é muito valioso em campanhas publicitárias.
Esta tecnologia é vantajosa para as organizações, contudo deve ser aplicada de forma cuidadosa uma vez que levanta muitas questões relacionadas com a privacidade e liberdade das pessoas.

O que acham desta tecnologia?
Será que vai ter sucesso?


Fontes:
https://www.vice.com/pt/article/bj9ygv/a-tecnologia-de-rastreamento-de-olhos-e-o-santo-graal-da-publicidade